Romance conta saga de nação brasileira afro-descendente

Halime Musser – Da Approach

No romance Oiobomé, o escritor e compositor Nei Lopes imagina a trajetória da nação homônima instalada na Ilha de Marajó desde sua fundação, no início do século 19, até os dias de hoje. No país, ex-república e hoje uma monarquia constitucional e hereditária (regida pela Constituição de 1953), a taxa de analfabetismo é nula, sua moeda, o escudo oiobomense, permanece estável há anos, os vícios em álcool e em tabaco foram erradicados há mais de duas décadas, o último crime ― o furto de um livro ― foi em 1942 e a união entre pessoas do mesmo sexo é amparada e reconhecida pela lei. Recentemente, o país, o mais desenvolvido das Américas, descobriu a cura para o câncer e para a aids “e a cura da anemia falciforme já está sendo anunciada”. Oiobomé é um país democrático, igualitário e justo. Oiobomé não existe.

O ponto de partida da obra é a fuga do alforriado Francisco Domingo Vieira dos Santos, o Dos Santos, da Corte para o norte do país. Temendo retaliações devido a seu envolvimento com os inconfidentes de Vila Rica, ele parte para a região onde hoje é o estado do Pará. Lá, cria laços com quilombolas e índios locais, também vítimas da perseguição e repressão do governo, e junto a eles funda, na ilha de Marajó, a república de Oiobomé, uma homenagem ao império iorubá de Oyó (ao qual pertencia sua mãe), na atual Nigéria, e o reino de Abomé, hoje Benin, no qual o seu avô paterno ocupava o nobre cargo de ministro do rei.

Com o rápido crescimento do núcleo de resistência criado por Dos Santos, aos poucos o esboço de um governo ― com leis, constituição e decretos ― vai sendo moldado, e alguns anos depois de criada Oiobomé já é uma nação consolidada e forte, com sistema de esgoto, escolas, redes de distribuição e escoamento de mercadorias, hospitais e moeda local. De modo que quando as autoridades e a Igreja resolvem intervir efetivamente, já é tarde demais: sua localização geográfica favoravelmente segregada e seu exército fortificado (graças a armamentos e munições francesas trazidas à ilha por traficantes ingleses vindos do Caribe) tornam Oiobomé inexpugnável. Os ecos da revolução ao norte do país são ouvidos no mundo todo, e inspiram inclusive o militar venezuelano Símon Bolívar em sua luta pela independência americana.

O país vai atravessando gerações, se destacando nos mais variados campos: na educação, ao reduzir a sua taxa de analfabetismo a zero, ele é pioneiro; na segurança, é exemplar; na saúde e na medicina, ao erradicar diversas doenças, é louvada; e na economia, com sua moeda forte e estável, é referência.

Oiobomé é um interessante e minucioso ensaio sobre utopia, democracia, ufanismo e preservação da identidade cultural. Por meio da história de uma nação que se desenvolveu e progrediu nos mais diversos campos sem jamais esquecer de sua herança multicultural e de suas raízes afro-indígenas, Nei Lopes oferece ao mesmo tempo uma reflexão e uma denúncia de dois Brasis: o real, pré-colonização, e o simbólico, formado e constituído a partir desse, que, cada vez mais preocupado com o futuro, menospreza seu passado, deixando de prestar as devidas contas com seu background multiétnico.

Sobre o autor

Nei Lopes é cantor e compositor da música popular brasileira. Além disso, ele é também um dos maiores estudiosos da cultura afro-brasileira e africana no Brasil, tendo publicado livros como Enciclopédia da diáspora africana e Kitábu, considerados referências obrigatórias para os estudos africanistas no país.

Oiobomé,

Nei Lopes, Editora Agir, SP, 2010, 224 págs.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s