Professor da USP analisa o futebol como ´espelho da vida´

O alcance do futebol, seu poder de mobilização, fica evidente em tempos de Copa do Mundo. Durante os jogos, as pessoas se deparam com o assunto pelo menos no momento de torcer pela própria seleção e isso não é um fenômeno apenas brasileiro. O som das vuvuzelas e a animação das torcidas na África do Sul mostram que o assunto recebe atenção fora do comum, tanto quanto aqui no Brasil o campeonato nacional, os estaduais, a Libertadores e outros embates que surgem no ano.

Mais do que um esporte, o futebol assume o lugar de uma religião. Seus ídolos são consagrados a cada vitória, ou são odiados e cobrados pelas derrotas, e o torcedor faz isso sem se dar conta das relações entre o esporte e a vida social, política e cultural do país. “No Brasil, o futebol é bastante jogado e insuficientemente pensado”, diz Hilário Franco Júnior, professor de história medieval na Universidade de São Paulo (USP) e autor do livro A Dança dos Deuses – Futebol, Sociedade, Cultura, lançado em 2007 justamente para agregar valor às reflexões sobre o tema.

O livro nasceu de três anos de pesquisas, entre 2003 e 2005, de um curso de pós-graduação voltado ao esporte e contempla as melhores histórias e informações coletadas. Em entrevista ao jornalista Juca Kfouri na ESPN, Hilário falou das motivações que o levaram a escrever a obra. “Acompanho a crítica de futebol, mas nada disso me satisfaz muito… Falta pensar mais sobre o que é esse jogo, porque ele tem esse alcance, porque ele mexe com as pessoas”.

Vuvuzelas soam como grito de ´guerra´ nos ´templos´ da África do Sul

O livro é dividido em duas partes. A primeira é chamada ‘Futebol,micro-história do mundo contemporâneo’. Nela, o escritor conta aspectos históricos do esporte paralelamente aos fatos políticos e sociais do país e do mundo. Analisa, por exemplo, o desejo das classes política e desportiva de fazer campeonatos nacionais no país desde os anos 50 e como o predomínio dos campeonatos regionais refletia a divisão da sociedade brasileira, bem como a carência de transportes e infraestrutura no país.  “O esqueleto do livro é o fato de o futebol ser um espelho da sociedade, desde as suas origens”, afirmou.

Já a segunda parte do livro, intitulada ‘Futebol, metáfora do mundo contemporâneo’, mergulha nas crenças e mitos do universo da bola sob os pontos de vista da sociologia, antropologia (cultura e simbolismo do futebol), religião, psicologia e linguagem.

Na parte de antropologia, por exemplo, Hilário analisa o futebol como guerra simbólica. “Seu caráter guerreiro transparece em diversos indícios. A linguagem usada nele tem expressões significativas, como ‘matar a bola’, ‘matar a jogada’ ou ‘matar o jogo’. O jogador encarregado de fazer a maior parte dos gols da equipe é o ‘artilheiro’, ‘o matador’, o carrasco dos adversários”. Toda a linguagem do futebol é carregada de metáforas bélicas. O autor lembra que, em 2005, a imprensa espanhola apelidou o Barcelona de Ronaldinho Gaúcho de “alegre máquina de guerra”.

Já o futebol como religião é uma alternativa à necessidade humana de crer, de promover a sagração de uma entidade, ocupando o vazio espiritual do mundo contemporâneo. Os jogadores são ídolos e os uniformes, seus mantos sagrados.

A Dança dos Deuses – Futebol, Sociedade, Cultura,

Hilário Franco Júnior, Companhia das Letras, 2007, SP, 415 págs.

Partes do livro podem ser consultadas no Google Livros:  http://migre.me/PTuu

Foto:  Divulgação

Assista ao vídeo da entrevista do prof. Hilário Franco Júnior:

Parte 1:

Parte 2:

Parte 3:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s