Flip discutirá identidades culturais no Brasil e no mundo

Capa do Cheap Thrills, de 1968, foi desenhada por Crumb

Começam a ser vendidos na segunda-feira, dia 5, os ingressos para a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip 2010), que será realizada de 4 a 8 de agosto e terá, em sua oitava edição, uma oportunidade para o público refletir sobre as identidades culturais no Brasil e no mundo.

Enquanto a homenagem do evento será legada ao livro Casa Grande & Senzala, de Gilberto Freyre, obra que é referência das ciências sociais no país e até hoje um polêmico espelho da alma do brasileiro, as estrelas da festa serão dois ícones da contracultura nos EUA – o cartunista Robert Crumb e o cantor e compositor roqueiro Lou Reed, que vão falar de suas experiências no dia 7.

A palestra de Crumb, chamada ‘A Origem do Universo’, será dividida com o lendário colega de profissão Gilbert Shelton, criador de Freak Brothers, e mediada pelo cartunista Angeli.

Crumb é considerado o pai dos quadrinhos underground e um dos desenhistas mais importantes do século 20, criador de personagens como Mr. Natural e Fritz, The Cat. Nos anos 60, ele desenhou a capa do disco Cheap Thrills, da banda Big Brother & The Holding Company, que revelou a cantora Janis Joplin.

Veja o que Crumb disse à revista Paris Review sobre sua primeira experiência com LSD: “Meus colegas perguntavam: Crumb, o que está acontecendo, o que deu em você? Isso porque eu ficava olhando as coisas como se fosse pela primeira vez. E isso mudou toda a direção do meu trabalho artístico. As pessoas que já tinham tomado LSD entenderam tudo na hora, mas os outros, não.”

Na exposição ‘O Som e o Sentido’, o público poderá prestigiar Lou Reed, papa da música alternativa, que no fim dos anos 60 liderou a banda Velvet Underground. Muitas de suas canções retratam o submundo das pessoas marginalizadas, um caminho que o poeta do rock encontrou para tecer sua crítica ácida à cultura voltada aos bens de consumo.

Com um orçamento de R$ 6,3 milhões e um público aguardado de 20 mil pessoas, a Flip deste ano terá 35 autores, de 14 países, em 19 sessões literárias, as chamadas ‘mesas’, mais a conferência de abertura. O cardápio de temas inclui também política, colonização do país, fábulas e romances policiais. O show de abertura terá apresentações de Edu Lobo, Renata Rosa, Marcelo Jeneci e Quarteto de Cordas da Academia da Osesp.

As mesas e o show de abertura custam R$ 40. Mas há uma opção mais em conta, que é acompanhar a transmissão ao vivo por um telão, com ingresso a R$ 10.

Informações: http://www.flip.org.br

Confira o show de Luiz Melodia, na abertura da Flip 2008, interpretando a canção A Voz do Morro, de Zé Kéti:

Anúncios

Um pensamento sobre “Flip discutirá identidades culturais no Brasil e no mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s