Um desafio literário com a bola no pé

Mauro Rosso é escritor e pesquisador de literatura brasileira

O futebol é amplamente identificado com a cultura brasileira, mas isso nem sempre foi assim. Nos primeiros tempos do esporte bretão, no início do século passado, havia uma intensa polêmica contra e a favor à sua prática, que mobilizava escritores e intelectuais.

Dois expoentes dessa discussão foram o carioca Lima Barreto (1881-1922) e o maranhense Coelho Neto (1864-1934), cada um em uma extremidade da briga no cenário do Rio de Janeiro.

A história desse relacionamento pouco amigável pode ser conferida no livro ‘Lima Barreto versus Coelho Neto, um Fla-Flu literário’, do escritor, pesquisador e professor de literatura Mauro Rosso, que reúne textos dos autores entremeados por seus comentários.

Enquanto Barreto atacava com ironia o esporte, denunciando sua prática elitista, vedada aos negros e pobres, Coelho Neto tornou-se porta-voz do futebol, desempenhando papel de entusiasta entre os cartolas do Fluminense, um dos primeiros clubes do País.

Mas não é só futebol que está em questão, visto que os desafiantes pertencem a correntes literárias diferentes. Enquanto Barreto exerce uma literatura social, recheada de ironia, crítica e de características pré-modernistas, como as expressões da linguagem popular em seu texto, Coelho Neto é parnasiano – um prolixo e enfadonho escritor, mais preocupado com o efeito sonoro das palavras do que em espelhar na linguagem a angústia, a realidade humanas, enfim, temas próximos dos escritores.

O livro de Rosso, originalmente uma dissertação na universidade, é assim um delicioso embate literário e futebolístico que contempla o leitor que também tem interesse em história da crônica e do jornalismo.

Lima Barreto esgrimia sua pena em revistas e jornais, sobretudo nos que estavam identificados com a imprensa alternativa. Um dos alvos prediletos de Barreto era a violência no campo e com as torcidas, algo pouco diferente do que é hoje.

Já Coelho Neto gozava de reputação social com a grande imprensa. O aspecto curioso, do ponto de vista do julgamento da história, é que Barreto, apesar de equivocado quanto ao futebol, está eternizado em sua obra, enquanto o outro ficou esquecido.

O futebol no Brasil foi divulgado graças aos ingleses que moravam no Rio de Janeiro e em São Paulo. As correntes predominantes de pensamento na época passavam pela eugenia, ou seja, acreditava-se que era possível produzir uma ‘raça pura’, saudável, que pudesse colocar sob esquecimento nossas raízes oriundas dos conflitos sociais desde a colonização.

O início do século 20 assistiu assim a um boom de clubes e de culto ao esporte, que os governos prontamente instrumentalizaram. As partidas importantes eram custeadas com dinheiro público, segundo as suspeitas de Lima Barreto, enquanto Coelho Neto defendia o futebol como uma prática cívica, e usava seu discurso para revestir as ações da então elite esportiva.

Lima Barreto versus Coelho Neto: um Fla-Flu literário,

Mauro Rosso, editora Difel, Rio de Janeiro, 2010, 239 págs.

Foto: Divulgação

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s