Amor seduz e destrói lá no interior do Pará

Aquino publicou o romance ‘Eu receberia as piores notícias...’ em 2005

O leitor que aprecia romances que vão para a tela do cinema encontrará em ‘Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios’, do escritor paulista Marçal Aquino, uma narrativa envolvente e ironicamente filosófica, criada em torno de um triângulo amoroso em uma cidade no interior do Pará, onde conflitos entre garimpeiros e uma empresa mineradora dão o contexto de vidas fervilhantes, que se defrontam com loucura, violência e morte.

O filme, com o mesmo título, rendeu na última quarta-feira à atriz Camila Pitanga, que interpreta a ex-prostituta Lavínia, o troféu de melhor atriz do 8º Amazonas Film Festival, em Manaus. A crítica tem considerado que as cenas intimistas, de uma nudez como nunca vista, revelam a atriz em seu melhor momento.

A estreia em circuito nacional desse trabalho dos cineastas Beto Brant e Renato Ciasca será em março. Por enquanto, o filme cumpre agenda de exibições especiais – passou por mostras em São Paulo e Recife, e será apresentado no festival Cinema Iberoamericano de Huelva, na Espanha.

Beto Brant e Marçal Aquino são parceiros. O filme ‘O invasor’, de 2001, com Malu Mader e o roqueiro Paulo Miklos, tem roteiro de Aquino, que depois também publicou uma novela com título homônimo. Em 2009, Brant lançou o filme ‘O amor segundo B.Schianberg’, também inspirado em ‘Eu receberia as piores notícias…’. O romance tornou-se, assim, referência para dois projetos de Brant.

O livro, lançado em 2005, é narrado por um fotógrafo de São Paulo, chamado Cauby, como o cantor, que vai ao Pará cumprir um projeto internacional para a elaboração de um livro com fotos de prostitutas em torno do garimpo. É nesse contexto que ele conhece a bela Lavínia, com quem vive uma paixão febril e destruidora. Lavínia é casada com um pastor, e a tragédia que recorta suas vidas coloca para o leitor questões em torno do amor e da morte.

O texto é permeado por especulações, e a ironia de Aquino foi colocar essas ideias sob autoria de um escritor imaginário, Benjamin Schianberg, que teria escrito o livro de auto-ajuda ‘O que vemos no mundo’.  Essa ironia chegou a surpreender Aquino, que foi procurado por uma editora que desejava entrar em contato com o suposto autor.

A narrativa toma força ao construir uma imagem sedutora de Lavínia, que tem uma personalidade dupla, oscilando entre depressão e paixão. Já no começo da leitura, a forma como sua expressão e beleza encantam o narrador me fez lembrar o romance ‘Betty Blue – 37,2º de manhã’, do francês Philippe Djian. Encontrei algumas coincidências entre as histórias: a casa que se incendeia, a cidade que arde sob o calor, a chaleira no fogo, o desejo de ter filho como elemento da loucura da mulher, personagens que perdem um olho e, principalmente, a técnica narrativa que envolve o leitor, o faz apaixonar-se por Lavínia e Betty Blue.

Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios,

Marçal Aquino, Companhia das Letras, SP, 2005, 228 págs.

 

Foto: http://www.blogdacompanhia.com.br

Anúncios

2 pensamentos sobre “Amor seduz e destrói lá no interior do Pará

    • Oi Victor, também gostei do livro, principalmente pelo fato de ele trazer personagens e cenários que estão muitas vezes fora das referências culturais predominantes. abs,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s