A outra história do mensalão

A democracia é um regime político em que todos os votos têm a mesma importância. Mas isso é teoria. Na prática, o tipo de financiamento de campanha que existe no País faz com que os votos tenham pesos diferentes. Os partidos arrecadam recursos de doações e os lobistas promovem a festa. Há o voto de quem doa, por exemplo, R$ 1 milhão para uma campanha e depois tem o político dobrado aos seus interesses.

Discutir o financiamento de campanha e encontrar uma solução que torne o sistema democrático de fato é um desafio que em algum momento o País terá de enfrentar. Já existe projeto de Reforma Política com a ideia de que os partidos tomem dinheiro apenas do fundo partidário, alimentado com recursos públicos.

Esse fundo também já existe, mas não ganha expressão enquanto a Reforma não sai do papel para tornar as doações proibidas. Essa é uma discussão que ganhou impulso com o caso do mensalão, em 2005, e é um problema crucial apontado pelo livro ‘A outra história do mensalão – as contradições de um julgamento político’, do jornalista Paulo Moreira Leite, com lançamento hoje em São Paulo, às 18h30, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional.

Paulo Moreira Leite: lançamento hoje em S.Paulo

Paulo Moreira Leite: lançamento hoje em São Paulo

O jornalista escreve que o sistema atual “gera distorções típicas de um poder político que pode ser alugado por quem pode pagar mais, num universo pelo qual circulam recursos legais, com origem declarada; verbas clandestinas, de empresas que não querem assumir seus donativos em público; e recursos de corrupção, desviados do Estado”.

O livro reúne os textos publicados no blog que o jornalista mantinha no site da revista Época, acompanhando o julgamento da Ação Penal 470, sobre o mensalão, a mais midiática da história do País, com 53 sessões transmitidas em TV pública durante quatro meses, marcando também um dos episódios mais longos da história do Supremo Tribunal Federal.

Às vésperas das eleições municipais de 2012, o julgamento se revestiu de um caráter político que ao fim das contas nem sequer arranhou o resultado das urnas. Em uma visão que se pretende mais honesta em relação ao que houve, Moreira Leite mostra como a imprensa acuou o Supremo, que se enredou em contradições e incongruências para sustentar a tese de que aliados do governo Lula compravam votos no Congresso.

Foi um julgamento em que a acusação não comprovou o enriquecimento ilícito de nenhum dos réus, apesar de quebrar o sigilo fiscal e bancário dos suspeitos. Quem tem curiosidade de saber a “outra história” do julgamento que condenou sem provas consistentes, vai encontrar uma boa leitura nesse livro, podendo perceber como o sistema de custeio de campanhas envolveu as questões do mensalão.

Paulo Moreira Leite - capa2A outra história do mensalão, as contradições de um julgamento político,

Paulo Moreira Leite, com prefácio de Janio de Freitas, Geração Editorial, SP, 2013, 349 págs.

Fotos: Divulgação

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s