Peça ‘Origem-Destino’ tem as duas últimas apresentações na próxima semana

HELDER LIMA

Do Jornal Ótimo São Paulo

No domingo, 15 de dezembro, às 11 horas, e na terça-feira, 17, ao meio dia, serão realizadas as duas últimas apresentações da peça ‘Origem Destino’, montada pela companhia de teatro Auto-Retrato. A peça é apresentada dentro de ônibus que faz o percurso entre a Praça da Sé e o Largo Treze, em Santo Amaro. Para participar, o público precisa apenas pagar os R$ 3 da passagem de ônibus.

A ideia da peça, que foi concebida pelo grupo em 2011, é valorizar o contato humano e tirar a representação da formalidade do espaço cênico do teatro. Não há também uma história lógica, com começo, meio e fim, mas um roteiro dinâmico em interação com o público, no qual as pessoas podem interferir na representação para contar suas próprias histórias.

“As pessoas podem contar o que bem entendem e isso tem resultado em histórias incríveis”, afirma Daniel Muller, ator e músico que participa do grupo. “Nós juntamos histórias nesse ambiente da cidade, que é caracterizado pela multiplicidade”, diz Daniel.

A escolha do percurso passando pela Marginal Tietê não é por acaso. Uma das ideias centrais da concepção do espetáculo é chamar a atenção do público para os cursos de rios existentes na cidade e como a alteração desses cursos mexe com memória em um espaço urbano que historicamente é marcado por um processo de demolir e construir, o que deixa escondida memória.

Procura de vestígios da memória

Mudar o olhar do público sobre a cidade e buscar a beleza e humanidade dos detalhes que passam despercebidos no cotidiano é um dos objetivos da peça ‘Origem-Destino’, afirma o ator e músico Daniel Muller. “As pessoas se equecem dos vestígios da memória que a cidade guarda e resgatar isso signifca romper com as relações frias e duras no espaço urbano”, diz Daniel.

“Os rios são fundamentais para a cidade porque simbolizam a memória oculta que nós procuramos revelar”, afirma. “Todo o percurso ocorre como se a gente acompanhasse os rios que estão enterrados na cidade”, diz Daniel, lembrando, por exemplo, o córrego Saracura, enterrado na avenida 9 de Julho e que encontra o rio Anhangabau na área do terminal Bandeira, que no passado era um charco.

Dinâmica da transformação

Ao propor resgatar a memória de São Paulo, o grupo Auto-Retrato ataca um dos problemas centrais da cultura brasileira e, em especial, da cidade de São Paulo, que historicamente para servir aos interesses empresariais, como os do mercado imobiliário e de outros segmentos da economia, deixa de preservar a memória, curvando-se a uma dinâmica de transformação em que tudo pode ser reconstruído. Entre arruamentos, avenidas rasgadas e prédios comerciais, entre outros, são poucos os projetos que se voltam para preservar a história da cidade.

Serviço

Auto-Retrato: http://www.ciaautoretrato.com.br/

Confira a apresentação da peça no domingo, 8 de dezembro, com fotos de Luciano Amarante, do Ótimo São Paulo:

Peça é realizada dentro de ônibus que vai da Praça da Sé ao Largo Treze

Peça é realizada dentro de ônibus que vai da Praça da Sé ao Largo Treze

 

Grupo na Praça da Sé, antes do embarque

Grupo na Praça da Sé, antes do embarque

 

Atriz em momento de inspiração em Marilyn Monroe

Atriz em momento de inspiração em Marilyn Monroe

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s