Mês dos livros

Monteiro Lobato – Dedicação às produções infantis  (foto: divulgação)

Lobato – Dedicação às produções infantis (foto: divulgação)

Abril é um mês em que os livros ganham destaque no mundo da cultura. O dia 2 foi marcado pelo ‘Dia Internacional do Livro Infantil’, mas no Brasil a data também é comemorada no dia 18, em homenagem ao nascimento de Monteiro Lobato (1882-1948), que foi um dos primeiros escritores brasileiros a produzir obras para crianças.

Lobato escreveu as famosas histórias da coleção ‘Sítio do Picapau Amarelo’, como ‘Reinações de Narizinho’ e ‘Caçadas de Pedrinho’, entre outras, e também traduziu e adaptou obras de renome internacional, como ‘Alice no País das Maravilhas’, de Lewis Carroll, e contos infantis de Hans Christian Andersen, entre os quais ainda hoje fazem bastante sucesso ‘O patinho feio’, ‘O soldadinho de chumbo’ e ‘A pequena sereia’.

Mas apesar do trabalho de Lobato ter influenciado a produção cultural da primeira metade do século 20, seu legado até hoje não se faz cumprir, já que as crianças ainda não estão dedicadas à leitura como deveriam e poderiam. Os pais precisam acordar para o fato de que ler uma história para uma criança é um ato que pode contribuir para formar um leitor habitual e crítico, um adulto com mais consciência dos problemas do mundo, de si próprio e do outro.

As crianças não aprendem pela teoria, mas pelo exemplo e por isso gostam de imitar os pais e outras pessoas que as cercam. Quem acha que mandar uma criança para a escola, apenas, é suficiente para seu desenvolvimento não percebe que o ambiente familiar é um campo privilegiado de aprendizagem, um campo que infelizmente fica, em muitos casos, à mercê da televisão e de sua pobre ideologia, conduzindo as crianças para um mundo de consumo e valores materiais.

Outra data importante para os leitores será 23 de abril, quando é comemorado o ‘Dia Mundial do Livro’, instituído desde 1995 pela Unesco. A Câmara Brasileira do Livro (CBL), que tem sede em Pinheiros (rua Cristiano Viana, 91 – na internet: cbl.org.br) vai homenagear a data com palestra matinal, acompanhada de café da manhã, da professora de pós-graduaçao da PUC-SP Lúcia Santaella, especialista em semiótica (ciência que estuda as significações dos símbolos) e pesquisadora do CNPq.

Com ingressos de R$ 90 a R$ 180, Lúcia vai falar ao público sobre o papel do livro na sociedade contemporânea, esmiuçando as relações dos leitores com os textos para destacar tipos contemplativos, moventes, ubíquos (que estão em toda parte) e imersivos. Essas diferenças de atitude acontecem porque um texto só ganha existência no mundo interior de cada um, frente às suas experiências. Por isso, um mesmo livro pode significar a transformação para um determinado leitor e nada para outro.

Este artigo no Metrô News:

http://issuu.com/folhametronews/docs/metronews-14-04-14/16

Na Folha Metropolitana:

http://issuu.com/folhametronews/docs/folhametro-14-04-14/12

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s