O tribuno

Vereador paulistano em primeiro mandato, ele levou meses para fazer seu discurso inaugural no chamado Grande Expediente – período da sessão ordinária em que quatro parlamentares podem falar por quinze minutos cada um. Garantia o sustento como professor de cursinho. Estava, portanto, habituado a falar em público. Timidez não era.

Certa tarde, ele tomou coragem e, munido de apontamentos, foi à tribuna. Aconteceu com ele o que, invariavelmente, acontece com a maioria dos “oradores”. Os que estavam no plenário não davam a mínima à sua falação, por mais que ele se empenhasse para ser ouvido. Irritado, pediu ao presidente da sessão que tomasse providências contra aquela falta de respeito etc. e tal.

Foi aparteado por uma das raposas da Casa:

— Vossa Excelência precisa entender que o problema não está na falta de educação de seus pares, mas na precariedade de sua oratória.

O dublê de professor de cursinho e vereador só voltou a usar a tribuna tempos depois. Não reclamou mais da “falta de respeito” etc. e tal de seus pares. Até porque, no plenário, ninguém está interessado em ouvir nada. Já foi tudo acertado nas reuniões fechadas. Agora, ele também sabia disso. Era um deles.

 

Orlando Silveira orlandosilveira@uol.com.brorlando3

Blog: http://orlandosilveira1956.blogspot.com.br/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s