História de marido traído

O marido traído é uma figura importante no imaginário coletivo, quase sempre personagem de tragicomédias, quando não de tragédias completas, que envolvem assassinatos. Há cornos célebres na literatura, como Bentinho, em ‘Dom Casmurro’, de Machado de Assis, o velho narrador de ‘Leite derramado’, de Chico Buarque, ou o marido apaixonado de ‘Madame Bovary’, clássico do francês Gustave Flaubert.

Na obra genial de Fiódor Dostoiévski (1821-1881), o corno é quase como uma figura demoníaca, que tem consciência de si, age de forma sarcástica e suga a vida de quem está ao seu redor. Em ‘O eterno marido’, romance de 1870, portanto, da fase madura do escritor, o leitor enfrenta a personalidade doentia do marido traído, mas do ponto de vista do amante, que Dostoiévski coloca no centro da história, deslocando o eixo narrativo para envolver o leitor.

O romance trata do reencontro do amante, Vieltchâninov, e o marido, Páviel Pávlovitch, quase uma década após viverem o triângulo amoroso e meses após a morte da esposa. Desde o princípio da história, uma estranha e misteriosa ligação envolve os dois personagens, que seguem uma trajetória que sempre retorna ao ponto de conflito, dado pela situação de disputa do desejo de uma mulher.

Essa característica de repetição ocorre como desdobramento da profunda investigação psicológica que Dostoiévski faz de seus personagens, envoltos em angústia, melancolia, ódio, sarcasmo, enfim, sentimentos que operam na obscuridade da personalidade. O texto é livre de preocupações com a forma, de fácil leitura, e pode ser encontrado em diversas edições – uma delas, da L&PM, é de bolso e tem preço acessível.

Capas – Dois volumes contam a trajetória artística de Chico de Assis (foto: divulgação)

Capas – Dois volumes trazem a obra de Chico de Assis (foto: divulgação)

Chico de Assis

Uma edição em dois volumes da obra do ator, dramaturgo, compositor e diretor Francisco de Assis Pereira, o Chico de Assis, é lançada hoje no teatro que foi palco da sua trajetória artística junto a uma geração de atores e dramaturgos com olhos voltados à realidade nacional.

‘O Teatro Seleto de Chico de Assis’ é publicado pelo Centro de Programas Integrados da Fundação Nacional de Artes (Cepin/Funarte), que também administra o Teatro de Arena – hoje Teatro de Arena Eugênio Kusnet, onde se realiza o lançamento.

Nestes 50 anos de carreira, Chico de Assis tem sido também formador de novos autores teatrais, por meio dos Seminários de Dramaturgia do Arena (Semda), que tiveram origem em 1989 a convite do diretor e dramaturgo Fauzi Arap, para o projeto ‘Tarô dos Ventos’.

O lançamento se realiza às 19h, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet: rua Dr. Teodoro Baima, 94, Vila Buarque, com entrada franca.

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s