O consultor

Andava sempre impecavelmente vestido. Era admirado pelas mulheres; invejado pelos homens. Além de charmoso, primava pela extrema cordialidade. Cumprimentava os funcionários, dos porteiros aos membros da diretoria, sempre com um sorriso. Por isso, muitos deles – e delas, principalmente – aguardavam ansiosos suas visitas semanais à empresa, da qual era consultor jurídico. Não havia também quem não admirasse seus conhecimentos. Como pode um homem ter tanto conhecimento? Era o que muitos se perguntavam, entre admirados e impotentes.

Doutor Hélio era um encantador de serpentes. Cobrava caro pelos seus serviços, mas isso não incomodava nenhum um pouco os sócios da metalúrgica – três irmãos, gente de origem humilde, meio bronca, quase analfabeta, mas vencedora. Doutor Hélio lhes dava prestígio. Contar com sua assessoria – e de sua equipe – não era café pequeno, coisa para qualquer empresa de médio porte.

Nas reuniões semanais, nosso consultor, ante qualquer indagação sobre isso ou aquilo, deitava falação, citava leis e mais leis, artigos e mais artigos, incisos, alíneas e tudo o mais que fosse preciso. De chofre. E sem consultar nenhum código, nenhuma colinha. Era um sábio, sem dúvida. Um Rui Barbosa contemporâneo. Muitos lhe perguntavam por que ainda não fora nomeado ministro da Justiça. Limitava-se a sorrir: “O tempo é o senhor da razão.”

Ninguém entendia por que o gerente Geraldo Galdino, o GG, nutria tamanha aversão por doutor Hélio. Um dia, o funcionário resolveu procurar um dos sócios, solicitar uma reunião particular e rasgar o verbo:

— Há mais de ano, venho fazendo anotações. Toda lei que doutor Hélio cita de cabeça, sem consultar livro algum, anoto disfarçadamente. Em casa, pesquiso para saber se aquilo existe mesmo. Para minha surpresa, na esmagadora maioria dos casos, as leis não existem. Quando existem, tratam de assuntos diferentes dos que foram abordados na reunião. O homem é uma farsa.

O sócio nada disse a GG, além de um “vou pensar no caso”. Dias depois, Galdino foi demitido, sem nenhuma explicação. Quando soube da demissão e, principalmente, das razões que a motivaram, doutor Hélio manteve a fleuma:

— Nunca quis dizer nada a vocês. Mas Galdino sempre me pareceu um desagregador. Que pena. Inveja mata.

Orlando Silveira orlandosilveira@uol.com.brorlando3

Blog: http://orlandosilveira1956.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s