Símbolos trocados ou a dificuldade de gostar da coisa em si

Woman Practicing Yoga by the Sea

Por Marina Moura

Quando comecei a fazer yoga, várias pessoas não pouparam suas linguinhas e pensamentos afiados e logo deram um jeitinho de me dizer quão bom era eu estar fazendo algo para desestressar. Se fossem pessoas chegadas eu poderia fazer menção de preocupação. Aquele “Oh! Serei eu criatura estressada? Será que dei uma patada recente ou antiga naquele que me avisa e quem avisa amigo é?”.

Fato é que tais pessoas quase nada sabiam a respeito de minha vida. Tinham em comum serem para mim apenas criaturas com quem me relaciono muito esporadicamente e apenas para resolver questões de trabalho. Tinham em comum o hábito de dizerem que responderiam um importante e-mail dali a alguns instantes e respondiam em três dias, quando respondiam, o que para mim é tremenda falta de educação, mas não causa de estresse. Como acredito que a comunicação virtual é apenas mais um meio de se comunicar, não significando ser natural que o outro responda apenas o que e quando achar conveniente, como tenho essas malditas considerações na minha cabeça, eu delicadamente pedia respostas e era a chata estressada, o que justificaria meu yoga.

Por que é tão recorrente entre alguns o hábito de atrelar uma ação, coisa ou símbolo a um motivo ou meta, geralmente os mais banais e fáceis que vêm na cabeça dos afirmadores de plantão? Chega a parecer até arrogância, como se “soubessem para você” o que “é melhor para você”.

Lembro de um professor de filosofia que falou da bobagem de se embriagar por algum motivo. O melhor, dizia, era o vinho em si. Tal pensamento transformou-se de fato em filosofia para mim e alastrou-se além-vinho, vida afora.

Um dia decidi alargar o prato da salada. No mesmo dia, coincidentemente, não queria refrigerante até mais da metade do copo. Está querendo emagrecer, Marina? Foi a primeira sentença que escutei. Sorte que não foi da minha mãe. Como disse, as bobagens que já escutei vieram de quase estranhos. Minha mãe ao menos mantém suas convicções e acredita que eu decididamente me alimento mal, independentemente da minha saudabilidade e várias refeições diárias que incluem igualitariamente bobagens e saladas, mas ela vê apenas o colorido das jujubas.

Recordo de um dia ter visto um quadro que mostrava um quadrado branco no meio de um quadrado branco. Era visível aos olhos apenas porque um dos quadrados era um pouquinho mais claro ou mais escuro, sei lá eu, do que o outro. Aquela composição não me remetia a nada, não me causava nenhuma lembrança nem permitia associações. Fiquei arrepiada e quase chorei porque passava por uma fase de intenso fluxo de ideias, de ações e de sentimentos que forçavam conexões entre si, embolando-se até causar em mim um caos tremendo. Então aquele silêncio do quadro significou nada mais do que conforto.

Nossa espécie parece viver demasiadamente de compensações, apresentando séria dificuldade de admirar, olhar, fazer a coisa por si mesma. Beber pelo gosto do vinho e não porque a vida é difícil. Comer menos porque está com vontade de menos, não por estar se achando gordo. Ler porque pinçou instintivamente um livro qualquer na estante, não para se tornar o intelectual do ano. Dar um beijo no parceiro porque beijo é bom, não porque ama-o mais naquele momento ou está fazendo algum tipo de jogo.

O perigo nesta história toda é começarmos a agir motivados por esse tanto de lugares-comuns que norteiam as escolhas que os outros fazem por nós. Só em pensar na questão, quando estou fazendo algo por fazer, fico com preguiça de algumas pessoas ou até com medo, pois estarão possuindo a condução que escolhi para mim e talvez até me possuindo sem que eu dê permissão.

(foto: divulgação)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s