Tudo pela catuaba

Por Marina Moura

Carnaval depois das 19h na região de Pinheiros. Ânimos exaltados, álcool exalado. Gritos histéricos aumentando de volume muito rapidamente, mesclados com batidas eletrônicas e “meu pau te ama” comendo solto, entoado por grupo-sim-grupo-não passante na Pedroso de Morais.

Eu falei pra você que ia dar merda, eu falei! Grita o homem forte sem camisa do carro branco. O caminhão de lixo logo atrás, impaciente. Seu filho da puta! e não sei o que mais, responde o homem forte de regata do carro preto.

Meu pau te ama. Uma amiga disse que isso é verdadeira poesia. Mas vamos voltar à briga a fim de não causar outra, de dimensões teórico-literárias.

À medida que as agressões aumentam, os carros emparelham-se. Os alegres lixeiros já perderam a paciência; desceram da caçamba para olhar a treta, as mãos em luvas laranja látex colocadas na cintura. Agora fecham a cara, enquanto o caminhãozão fedido de preservativo e garrafa buzina mais energicamente, assim como todos os outros 476 carros.

Lado a lado, enfim, os três ou quatro integrantes dos dois carros arrebentam-se em insultos. Invocar as partes íntimas das respectivas mães e ameaçar porrada não foi suficiente. Os homens precisavam se tocar, sentir suas peles brutas rasgando e jorrando sangue.

Foi o que fizeram nos minutos seguintes. Todos saíram do carro, umas quatro pessoas de cada veículo. Folia da violência, sem direito a camisinha ou spray de espuma. Rolaram no calçamento entre socos histriônicos, mordidas histéricas e catarros ensanguentados.

Abriram maxilares, estouraram pulsos, acertaram as bolas.

Quando a namorada do cara forte do carro branco tentou apartar a briga, também levou porrada – e do próprio namorado.

Os lixeiros assistiam a tudo, agora com calma. A vizinhança pedia misto, uns mais paz, outros mais cólera. O pau continuava amando nos carros que passavam e na dança dos meninos e meninas que quebravam até alcançarem o chão de lixo, porra, confete, mijo, vidro e resto de amor.

O grupo que mais apanhava conseguiu alcançar o carro preto e fugir a toda pela Rebouças, quase levando junto o careca da CET, o vendedor de 3 Skols por 10 e a novinha terrorista que abalava por ali.

Os valentões abandonados, solitários, sem ninguém para descer a mão, levantaram-se do chão, desamassaram a roupa abarrotada de pancada e dirigiram-se ao carro.

No caminho a mulher que apanhou parece chateada. Volta ao ambiente da confusão, acocora-se, triste mesmo. Olha para os lados com olhar perdido, desolado. Enfim encontra a garrafa verde com a catuaba, que já vai perto do fim. Entra no carro, dá um gole, beija o namorado e vai continuar seu carnaval.

catuaba-selvagem-9

Reprodução da desenho criado pelo ilustrador José Luiz Benicio (www.benicioilustrador.com.br) para o rótulo da Catuaba Selvagem

Anúncios