Não quero ser apenas mais uma engrenagem dessa terrível máquina de moer carne

rebococaido

Por Fabio Da Silva Barbosa

eles me vêm com suas velhas morais e obrigações

o aceitam nossas opiniões

querem nos fazer acreditar que temos liberdade

mas isso não existe de verdade

somos livres apenas para fazer o que eles deixam

mas nãoo ao menos os que se mostram

existem mãos invisíveis nos controlando

estão controlando até o governo

um governo submisso a interesses mórbidos

estamos submissos a interesses escusos

o me curvo a essa falsidade

o acredito na falsa verdade que me ensinou apenas consumir

preciso mais, preciso existir

o vou me suprimir nãoo me reduzir

enquanto um se ilude e quer entrar

outro percebe e luta para a algema arrebentar

pular o muro dessa prisão até destruir as paredes

e começar a demolição dessa sociedade ilusória

da mentira compulsória

Anúncios

Lembranças

 Fabio Da Silva Barbosa2

lembro das luzes ao longe, iluminando o subir do morro

e daquela casa que ficava depois da última luz

onde a eletricidade ainda não tinha chegado

do esgoto a céu aberto que o menino sempre pulava

para jogar bola no campinho esburacado

 

e do choro de Dona Berenice

quando viu o filho tombar

ao ser atingido por uma bala de não sei qual calibre

e quando o sobrinho apanhou na delegacia

falaram que confundiram com traficante

 

das casas empilhadas umas sobre as outras

barracos sobre barracos

moradias sobre moradias

morando pessoas espremidas, gente sofrida

mordida por misérias, fomes e apatias

 

lembro também dos barulhos de tiros

ouvidos na hora da novela

dos apartamentos

que assistem de bem longe

se convencendo que não tem nada com a vida dos mortos

Machado e Pessoa podem ser copiados na Web sem custo

Machado de Assis

Para ter acesso à boa leitura nem sempre é preciso gastar dinheiro. A obra de grandes escritores como Machado de Assis (1839-1908) e Fernando Pessoa (1888-1935) está disponível integralmente para o leitor, sem custo, no site Domínio Público, mantido pelo Ministério da Educação para incentivar a troca de conhecimentos entre professores, estudantes, pesquisadores e a população em geral.

O acervo é composto por títulos que se encontram em domínio público – obras culturais sem a necessidade de pagamento de direitos autorais – ou receberam licença dos detentores dos direitos para serem divulgados de graça. As obras, segundo a lei, caem em domínio público depois de 70 anos do falecimento do autor, ou antes, se não houver herdeiros.

No site também podem ser copiados arquivos MP3 de música erudita, com execução da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal Fluminense, e obras como as de William Shakespeare (1564 – 1616), que escreveu a famosa peça Romeu e Julieta, e a Divina Comédia, do poeta italiano Dante Alighieri (1265 – 1321). Este, aliás, é o título mais procurado, com mais de 1,1 milhão de cópias desde que o site foi criado em 2004.

Fernando Pessoa

Entre os dez títulos mais acessados estão também o romance Dom Casmurro, de Machado, e um livro de Pessoa intitulado O Eu profundo e os outros Eus, escrito em 1913.

Dom Casmurro é sem dúvida o romance mais famoso de Machado, é a história que notabilizou a personagem Capitu e seu olhar de ressaca, “oblíquo e dissimulado”, como um sinal da ambigüidade que permeia o enredo, um suposto triângulo amoroso sem que jamais se possa saber o que houve entre Bentinho, Capitu e Escobar.

Já o livro de Pessoa traz dois poemas dramáticos – Na Floresta do Alheamento e O Marinheiro – que são especulações sobre a constituição do ‘Eu’, sobre os desejos que nos colocam na perspectivas de diferentes realidades e fazem com que a nossa personalidade seja dupla, ambígua e contraditória.

Neste trecho, por exemplo, Pessoa foca a relação entre o ‘Eu’ e o outro: “E assim nós morremos a nossa vida, tão atentos separadamente a morrê-la que não reparamos que éramos um só, que cada um de nós era uma ilusão do outro, e cada um, dentro de si, o mero eco do seu próprio ser. . .”

Dom Casmurro, Machado de Assis, 1899.

O Eu profundo e os outros Eus, Fernando Pessoa, 1913.

Onde Encontrar: Domínio Público (www.dominiopublico.gov.br).

Salão do livro de Guarulhos terá Ariano Suassuna

Da Prefeitura de Guarulhos – Secretaria de Comunicação

A Prefeitura realiza entre os dias 7 e 16 de maio, das 10h às 22h, no Parque da Transguarulhense (Continental), o Salão do Livro de Guarulhos. Todas as atividades do Salão são gratuitas. O escritor Ariano Suassuna estará no Café Literário no domingo, dia 9, às 19h30.

A abertura oficial na sexta-feira (7), às 19h30, contará com a presença do prefeito Sebastião Almeida e dos secretários Moacir de Souza (Educação) e Hélio Arantes (Cultura).

A Orquestra Jovem de Guarulhos, sob a regência do maestro Emiliano Patarra faz o show de abertura. A programação do primeiro dia, porém, começa bem mais cedo, às 10h30, com apresentação da Orquestra Pimentinhas, sob regência do maestro Vanderlei Banci. As 15h a diversão fica por conta do espetáculo Chang Cia de Circo.

A programação da tarde continua com um bate papo no Espaço Cultural, às 16 horas, com Max B.O. sobre o Movimento Hip-Hop. Na sequência, às 18 horas, Afonso Romano de Sant’anna participa do Café Literário, com apresentação de Frederico Barbosa.

O Salão do Livro, iniciativa da Prefeitura de Guarulhos, via secretarias de Educação e Cultura é realizado em parceria com a Associação Nacional de Livrarias – ANL.

Os exemplares serão expostos num espaço climatizado de 5 mil m². São cerca de 80 mil livros dos principais autores brasileiros, entre eles: Ariano Suassuana, Ignácio de Loyola Brandão, Carlos Heitor Cony e Pasquale Cipro Neto. Mais de 200 mil pessoas devem passar pelo salão durante os dez dias do evento.

Mais informações: http://www.guarulhos.sp.gov.br/salaodolivro/